Globalização ou mundialização: CAPITALISMO

Boa noite 1° Ano EJA, segue nossa atividade lembrando que quem não terminou de fazer as avaliações diagnóstica, tem o prazo até hoje.

Favor enviar no e-mail as respostas dos exercícios, não esqueçam de mandar a presença.

Semana 1e 2

globalização ou mundialização do espaço geográfico é caracterizada pelo processo de interligação econômica, política, social e cultural, em nível global. … Porém, esse processo se intensificou com a queda dos regimes comunistas na Europa e a abertura econômica realizada na China, ambos na década de 1980.

A globalização ou mundialização do espaço geográfico é caracterizada pelo processo de interligação econômica, política, social e cultural, em nível global. Esse processo é consequência, principalmente, da expansão dos sistemas de comunicação por satélite, da telefonia, da presença da informática na maior parte dos setores de produção e de serviços, através da internet.

A globalização constitui o estágio máximo da internacionalização, a amplificação em sistema-mundo de todos  os lugares e de todos os indivíduos, logicamente em graus diferentes.

Alguns pesquisadores consideram que a globalização teve início com as grandes navegações nos séculos XV e XVI, pois nesse período o colonizador europeu entrou em contato com povos de outros continentes, mantendo relações sociais, culturais e comerciais.
Porém, esse processo se intensificou com a queda dos regimes comunistas na Europa e a abertura econômica realizada na China, ambos na década de 1980. As empresas transnacionais, que possuem matriz em um país, mas atuam com filiais em outros, expandindo seu mercado consumidor, são aos grandes marcos da globalização. Pois a abertura econômica realizada por esses países proporcionou que essas empresas expandissem seu foco de atuação.

A globalização é de fundamental importância para a atuação das empresas transnacionais, pois proporciona todo o aparato tecnológico para os serviços de telecomunicação, transporte, investimentos, entre outros, fatores essenciais para realização eficaz das atividades econômicas em escala planetária.

 

Críticas à globalização

O processo de globalização, em seus moldes atuais, vem sendo duramente criticado por alguns intelectuais e grupos sociais organizados. A principal afirmação é de que esse processo ocorre de uma forma que beneficia apenas as elites econômicas e os países dominantes, em detrimento das populações pobres e regiões de todo mundo.

O ponto central das críticas é que os avanços tecnológicos e das comunicações sempre alcançam primeiramente aqueles que possuem um poder aquisitivo superior. Outro fator é que, com as expansões das inúmeras multinacionais em todo o mundo, amplia-se a concentração de renda, de modo que o número de pessoas contempladas pelos benefícios da mundialização diminui constantemente. Um exemplo a ser citado é o fato de as três pessoas mais ricas do mundo somarem mais riquezas do que os 48 países mais pobres do mundo juntos.

Além disso, segundo os críticos da globalização, o processo de integração mundial foi construído tendo como base o modelo europeu de cultura e civilização. Assim, toda forma de conhecimento e comportamento teria sido estabelecida com base nos padrões eurocêntricos de moralidade, suprimindo povos e culturas tradicionais de outros países, considerados “inferiores” pela ideologia dominante.

RESPONDA AS QUETÕES ABAIXO:

h

1) Após observarem a imagem, tentem interpretar qual foi a intenção do autor em fazer esta paródia.

2) Qual é a diferença entre globalização e mundialização?

 

3) O que é a mundialização?

 

4) Quais dos termos internacionalização globalização ou mundialização?

 

 

5)  Quais são os principais elementos da mundialização?

 

 

6) Quais são as principais características da globalização?

 

 

7) Quando teria começado o processo de mundialização?

 

8) Quais são as principais características da globalização econômica?

9) Quais são as críticas a respeito da globalização?

CAPITALISMO

Capitalismo é um sistema em que predomina a propriedade privada e a busca constante pelo lucro e pela acumulação de capital, que se manifesta na forma de bens e dinheiro. Apesar de ser considerado um sistema econômico, o capitalismo estende-se aos campos políticos, sociais, culturais, éticos e muitos outros, compondo quase que a totalidade do espaço geográfico.

A base para formação, consolidação e continuidade do sistema capitalista é a divisão da sociedade em classes. De um lado, encontram-se aqueles que são os proprietários dos meios de produção, a burguesia; de outro, encontram-se aqueles que vivem de sua força de trabalho, através do recebimento de salários: os proletários. No caso do meio agrário, essa relação também se faz presente, pois os donos das terras, geralmente latifundiários, ganham lucros sobre os trabalhos dos camponeses.

Com a era da Globalização, o sistema capitalista tornou-se predominante em praticamente todo o mundo. Porém, as suas fases e etapas de desenvolvimento não ocorrem de forma igualitária na totalidade do espaço mundial, isso porque a sua lógica de produção e reprodução é puramente desigual. Assim, algumas nações apresentam estágios mais avançados de capitalismo e outras apresentam os seus aspectos ainda iniciais. Para conhecer essas fases e aspectos, torna-se importante conhecer o surgimento e a história do capitalismo.

Surgimento e desenvolvimento do sistema capitalista

O processo de surgimento do capitalismo foi lento e gradual, iniciando-se na chamada Baixa Idade Média (do século XIII ao XV), com a formação de pequenas cidades comerciais, denominadas burgos. Essas cidades desafiavam a ordem então vigente na época, a do feudalismo, em que a Europa era repartida em vários feudos, cada um comandado exclusivamente pelo seu Senhor Feudal. A usura era condenada pela Igreja Católica, a instituição mais poderosa na Idade Média, o que dificultava, ainda mais, o nascimento do novo sistema que se encontrava em emergência.

Com o passar do tempo, o poder da classe que comercializava nos burgos, a burguesia, foi se expandido e o acúmulo de capital difundiu-se. Tal fator, associado ao crescimento dessas cidades e ao consequente processo de relativa urbanização da Europa, além de fatores históricos (como as Cruzadas), provocou uma gradativa derrocada do sistema feudal e o surgimento do capitalismo. O principal evento que marcou a formação desse novo modelo econômico de sociedade foi a realização das Grandes Navegações no final do século XV e início do século XVI.

Com a sua formação, o novo sistema passou por três principais fases de desenvolvimento, a saber: o capitalismo comercial, o industrial e o financeiro.

Capitalismo Comercial

Em seu período de surgimento e consolidação, o capitalismo ainda não conhecia a industrialização e, tampouco, a formação de grandes adensamentos urbanos. Sendo assim, a economia nesse período era essencialmente centrada nas trocas comerciais e a riqueza

das nações era medida pelo acúmulo de matérias-primas e especiarias ou a capacidade de se ter acesso a elas. Por isso, o período que vai do século XVI a meados do século XVIII é chamado de Capitalismo Comercial.

O modelo econômico praticado nesse período foi chamado de Mercantilismo e caracterizava-se pelo fortalecimento dos Estados Nacionais e sua forte intervenção na economia. Seu papel era assegurar a máxima acumulação de lucros por parte da burguesia e da aristocracia, bem como disputar os mercados internacionais e o melhor acesso a matérias-primas. As premissas básicas do mercantilismo eram: a) busca por matérias-primas a baixo custo; b) produção de mercadorias manufaturadas; c) metalismo (acúmulo máximo de metais preciosos) e d) a busca pela balança comercial sempre favorável, ou seja, exportar e vender mais do que importar e comprar.

 

Responda as questões abaixo

 

“Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro e do padeiro que esperamos o nosso jantar, mas da consideração que ele tem pelos próprios interesses. Apelamos não à humanidade, mas ao amor-próprio, e nunca falamos de nossas necessidades, mas das vantagens que eles podem obter.”
Adam Smith, A Riqueza das Nações

Adam Smith foi um economista britânico que estruturou os princípios fundamentais do capitalismo. Segundo sua doutrina o “interesse próprio” (self-interest) seria o motor pelo qual o desenvolvimento social e econômico ocorreria.

Segundo a doutrina proposta por Adam Smith os aspectos econômicos, sociais e políticos seriam controlados pela:

  1. a) intervenção do Estado
    b) mão invisível do mercado
    c) autoridade do Estado
    d) liberdade ilimitada dos cidadãos

 

2) A economia de mercado prega a total liberdade de seus participantes, para o fluxo de trocas de mercadorias e o mínimo de intervenção estatal.

Nesse modelo, qual é lei fundamental que deve regular toda a economia?

 

3) O capitalismo comercial, também chamado de mercantilismo, que vigorou após o fim do feudalismo é marcado pelo surgimento de uma nova classe social e a mudança no modo de produção. A terra perde sua centralidade como garantia de riqueza e prosperidade.

Qual classe social tem sua ascensão nesse período e qual o objetivo central do capitalismo comercial?

4) Como explicar o que é capitalismo?

 

5) Quais são as principais características do capitalismo?

 

 

(2) Comentários

Deixe uma resposta

Atenção: Preencha todos os campos e informe seu nome completo!